BLOG

Jogar por conta ou para um time de Poker, eis a questão.

29 de abril de 2019 | Being a player Poker tips

Fala galera, tudo bem com vocês? Sou o Caio Almeida e hoje estou aqui para falar um pouco pra vocês sobre essa questão que gera tanta dúvida e debate dentro da comunidade do Poker. Lá atrás em 2012 quando eu comecei, a primeira coisa que fiz foi entrar para um time. Naquela altura, meu irmão Daniel Almeida tinha se juntado com outras duas feras do Poker nacional, Yuri Martins e Vitinho Dzi para montar um time de sng o qual fui convidado a participar. Eu era completamente inexperiente e sabia muito pouco sobre o jogo, dava alguns “tirinhos” despretensiosos e nunca havia estudado nada relacionado a poker, jogava simplesmente para passar tempo e me divertir. Nessa altura estava morando fora e tinha bastante tempo livre, resolvi aproveitar essa oportunidade e ver até onde eu poderia chegar.

Ao iniciar minhas atividades no time e ter aulas com os instrutores, consegui evoluir muito tecnicamente e em uma velocidade impressionante. Em menos de 6 meses eu já batia com folga os sngs regulares de 180 players de $4,50 e ainda tive a “sorte” de descolar um deal no Big $11, com quase 10k players. Hoje consigo ver claramente que todas as aulas, conversas e dicas que tive lá atrás, aliadas ao meu esforço para evoluir me fizeram atingir esses ótimos resultados e uma evolução gigantesca em muito pouco tempo. Certamente eu teria demorado muito mais tempo para conquistar toda aquela evolução sem o auxílio daqueles caras.

Gráfico de SNG’s CFAlmeida. Fonte: Sharkscope.

A grande maioria dos jogadores de Poker já se perguntou “Jogar para time ou jogar por conta?” em algum momento da carreira, ou se ainda não perguntou provavelmente perguntará em certo ponto. A ideia de times de Poker é muito bem difundida e existe há quase uma década no Brasil, hoje os times apresentam uma estrutura tão forte e bem organizada que fica difícil competir de igual para igual jogando por conta.

Acredito que os times de poker funcionam como um atalho na carreira do jogador de Poker. Dentro de um time você tem acesso a profissionais experientes e bem capacitados, aulas teóricas, revisões de torneios, biblioteca de videos, fórum para debate de mãos e conteúdos e acompanhamento psicológico. Além de tudo isso podemos incluir o conforto financeiro de ter toda essa evolução sendo financiada pelo bankroll do time, sem você ter que colocar a mão no bolso para fazer um investimento (de alto risco) na sua carreira.

Com a estrutura que os times tem hoje, podemos considerar um time de Poker como um negócio de gestão de carreira dentro do Poker. Os sócios e instrutores que lá estão já vivenciaram de tudo dentro desse cenário, e certamente vão poder aconselhar os jogadores menos experientes e indicar qual o melhor caminho a seguir a qualquer momento em sua carreira profissional. Dentro desses benefícios ainda podemos incluir o fato de você estar inserido em uma comunidade de pessoas com os mesmos objetivos e que buscam incansavelmente o mesmo que você, tornar-se um jogador profissional de Poker. Esse networking conquistado dentro do time você levará para sempre em sua vida, mesmo que no futuro não faça mais parte do time.

Quando comparamos um jogador que contrata um coach particular com os jogadores que recebem coaches quase que diários e um acompanhamento próximo dos instrutores do time, podemos afirmar que o jogador que possui esse acompanhamento mais “próximo” vai evoluir muito mais rapidamente do que o jogador que tem aulas esporádicas com um instrutor particular que não vai ter o mesmo interesse na sua evolução que o instrutor do seu time terá. O instrutor do seu time ganha junto com você e se interessa tanto na sua evolução quanto você. É uma parceria “+ +” onde ambos saem ganhando. Muitas vezes para um jogador iniciante e/ou intermediário, é muito difícil compreender alguns conceitos como variância, saber se você está jogando bem ou mal, se a downswing é fruto de leaks que estão te custando muito, se você está selecionando os melhores torneios possíveis para jogar, se está evoluindo no caminho certo. As pessoas que estão dentro de um time já percorreram todo esse caminho e certamente podem te poupar muito trabalho e sofrimento para acelerar sua evolução com a experiência adquirida ao longo dos anos.

Por fim, fazendo um paralelo político-histórico com tudo que relatei acima, posso dizer que a entrada de um jogador num time de Poker se assemelha muito com o plano de metas do governo de Juscelino Kubitschek na década de 50, cujo lema era “50 anos em 5”, visando o rápido e sólido desenvolvimento econômico do país, focando em setores essenciais da economia. Dentro dos meus 5 anos de Midas pude perceber o quão rápido evolui e posso confirmar que essa evolução é de fato semelhante ao plano de metas de JK, tendo certeza que se estivesse trilhando esse caminho sozinho, teria demorado muito mais para chegar a algum lugar.

E por fim, respondendo a indagação que originou esse artigo, caso ainda não tenha ficado claro pra alguém, eu recomendo a todos os jogadores profissionais fazerem parte de um time de Poker, de preferência o Midas, que hoje percebo ter se tornando muito mais que um time, uma verdadeira família. Mas isso é papo pra outra hora!

Estou à disposição para debatermos e espero vocês aqui no Blog ou nas redes sociais para conversarmos sobre esse assunto. 🙂

Caio Almeida
Midas Team

#Comejoinus

#MidasStorm

Veja algumas notícias sobre o mundo do poker.
18 de outubro de 2019
Move Up no Poker by Ramonkrop
2 de setembro de 2019
Preparação para o WCOOP